contador de visitas para blog
Loading...

sexta-feira, 26 de setembro de 2014


O vereador de Fortaleza Antônio Farias de Souza (PTC), o A Onde É, foi preso em flagrante nesta sexta-feira, 26. O vereador está no 2° Distrito Policial. De acordo com a delegada Socorro Portela, A Onde É foi preso, por volta do meio-dia, na agência do Banco do Brasil da avenida Monsenhor Tabosa, com o dinheiro de uma funcionária.

A vítima estava com o vereador e confessou estar sendo constrangida a entregar ao parlamentar o valor integral do salário, R$ 1.900, há dois meses.

A delegada ressaltou que o flagrante não foi armado e o vereador se mostrou “atordoado”  para explicar o dinheiro e “parecia se sentir traído”. Segundo a vítima, ela trabalha com Antônio Farias desde 2013, mas a extorsão começou nos últimos meses.

A Onde É foi autuado pelo artigo 136 do Código Penal que prevê o crime de concussão, para o qual não cabe fiança. Conforme a delegada, o vereador deve ser encaminhado para a Delegacia de Capturas ainda nesta sexta-feira. Ela afirmou que não há foro privilegiado para o parlamentar.

O vereador disse que não falará com a imprensa. A expectativa é que seu advogado, Leandro Vasquez, se pronuncie.

Ministério Público

De acordo com o promotor da Procuradoria de Crimes contra a Administração Pública (Procap), Luiz Alcântara, o vereador foi detido em ação conjunta do Ministério Público Estadual com a Polícia Civil.

Antônio Farias, que tentou se candidatar a deputado estadual, mas teve pedido indeferido, é investigado pela Procap por suposto desvio de Verba de Desempenho Parlamentar na Câmara Municipal. O parlamentar é acusado de repassar para assessores apenas parte de seus salários na Casa, guardando para si o valor restante.

Cobrança de pedágio

Em 8 de agosto, a Polícia Civil cumpriu mandados de busca e apreensão na residência e no gabinete do vereador A Onde É e do seu chefe de gabinete, Claudemir da Silva Veras, acusados de apropriar-se de parte de sua Verba de Desempenho Parlamentar (VDP) destinada ao pagamento de salários dos assessores, prática conhecida no meio político como “cobrança de pedágio”.

A Onde É também é acusado de locação fictícia de veículos e aquisição de combustível para fins particulares, dentre outros. Segundo a Procap, o esquema foi delatado pelos próprios assessores.

A investigação foi iniciada em 2011 para investigar possível compra de apoio parlamentar pela gestão Luizianne Lins tendo emendas parlamentares como moeda de troca. Questões envolvendo as VDP entraram na investigação em abril de 2014.

Supostos funcionários do vereador já foram ouvidos pela Procap, mas ele ainda não teve depoimento colhido porque seu advogado Leandro Vasquez cobra acesso aos documentos da investigação, o que foi negado pelo MP.

O pedido de certidão indeferido pela Procap solicitava que o órgão explicasse “de quem é a autoridade com prerrogativa de foro que tenha relação com os citados investigados e que se encontre sob investigação nos autos”. Vasques defendeu que, pelo processo ter sido iniciado antes de A Onde É ser empossado e por envolver a já encerrada gestão Luizianne Lins - portanto, sem foro privilegiado -, o caso deveria ser remetido à Justiça comum.

Fonte: O Povo
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares

Tecnologia do Blogger.

Siga Noticia Atual Por Email

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Popular Posts

Curtam Nossa Pagina no Facebook